Reporter Iedo Ferreira
Reporter Iedo Ferreira
   00:00:00
Livia Andrade: “Mesmo com a cueca de fora, o Silvio (Santos) é elegante” Postado em: 27 fev 2013 | 4.954 visto

Livia Andrade é vilã em ‘Carrossel’ e queridinha de Silvio Santos na vida real. Foto: Eduardo Lopes
1/9

Livia Andrade é extrovertida e sem papas na língua. É do tipo que responde a tudo com naturalidade e não se esquiva de nada. Antagonista de “Carrossel”, a intérprete da professora Suzana é um dos nomes de destaques da novela recordista de audiência do SBT e que fez a emissora voltar à vice-liderança. Se não bastasse cair nas graças do público – o infantil, em especial -, a ex-Mallandrinha (assistente de palco de Sergio Mallandro ) mostrou que seu carisma a fez conquistar o posto de queridinha de Silvio Santos .

e sensual, a atriz de 29 anos se diz uma pessoa careta, que não bebe, não fuma e não se envolve em encândalos por causa de homens. Ela faz até um discurso conservador: “Não acho normal as pessoas se separarem ou criança falar que é bissexual”. Mas o bate-papo não é politicamente correto. Livia, que mantém um casamento longe dos holofotes com o empresário  Nilton Fagnani Júnior ,relembra das polêmicas na epóca em que trabalhava com Sergio Mallandro e do assédio do DJ e ator  Jesus Luz , em 2010. Confira a entrevista que ela deu ao iG  na brecha da agenda lotada de gravações e eventos e descubra a razão de ter caído nas graças do patrão e da patroa, Iris Abravanel , autora da versão brasileira de “Carrossel”:

A conselho de Silvio Santos, Livia Andrade diminuiu o tamanho dos seios. Foto: Eduardo

Artista adora dar piti. Nunca vi o Silvio Santos fazer isso. Algumas vezes ele brinca fora do ar, ri, conta piada, mas sempre mantendo a linha”

iG: Por que “Carrossel” faz tanto sucesso?
Livia Andrade : Acho que faltava um produto para o público infantil, em uma emissora popular e uma novela que retratasse o que as crianças passam. É bem fiel à realidade e acho que tinha uma deficiência na televisão quanto a isso. Há coisas legais, mas em canais fechados. Além disso, a novela foi feita com muito carinho, o clima é muito bacana e acho que a gente passa essa energia.

iG: Assistiu à primeira versão?
Livia Andrade : Adorava, era fã da Maria Joaquina, gostava das maldades que ela fazia com o Cirilo. Até hoje as pessoas adoram a Maria Joaquina. E a Suzana também. Acho que ser vilão está na moda. O povo gosta de uma maldade, de ver uma briga, um desentendimento. Mesmo as crianças. Elas gostam da rivalidade, da disputa. Achava que levaria pontapé na rua, mas foi totalmente o contrário. As crianças são espertas, sabem separar as coisas. E o que ajuda é a minha presença no programa do Silvio Santos. Se não tivesse lá, com todo meu jeito, e só como vilã de ‘Carrossel’, acho que me daria mal.

iG: Não acha que as crianças não deveriam assistir ao “Programa Silvio Santos” por causa do horário e do teor de seus diálogos com o Silvio Santos (eles fazem piadas de duplo sentido, muitas com conotação sexual)?
Livia Andrade : Mas elas assistem. Na verdade, quem mais assiste é o público infantil e o da terceira idade, é impressionate. Adoram o programa do Silvio, o “Jogo dos Três Pontinhos” (quadro em que ela participa com o patrão). Até tento tomar cuidado algumas vezes, porque eles já mandam uns tuítes, cartinhas, perguntando o que eu quis dizer com certa expressão…

Assista: Silvio Santos convida Livia Andrade para o teste do sofá no “Jogo dos Três Pontinhos”

Livia Andrade, que tem uma loja de artigos religiosos, se diverte quando o dono do SBT a chama de macumbeira. Foto: Eduardo Lopes

iG: Lembra de alguma dessas perguntas? 
Livia Andrade : Teve uma recente, eu falei sobre Canguru Perneta. Mas na verdade, nem sei o que quer dizer realmente. Aí, a criança me escreveu querendo saber o que era. Ele primeiro perguntou para o pai, que disse para perguntar para mim. Falei que era um canguru tipo o (cantor) Roberto Carlos , que manca.

iG: Como entrou em “Carrossel”?
Livia Andrade : Foi devido a minha experiência e pelo que pude mostrar fazendo a Janaína em ‘Corações Feridos’ (novela do SBT, de  Iris Abravanel , mulher de Silvio). Eles gostaram e já me aproveitaram para ‘Carrossel’. E também pelo sucesso que fazia com o público infantil no ‘Jogo dos Três Pontinhos’.

Não uso drogas, não bebo, não gosto de noite, sou supercareta, diferente do que aparento na TV”

iG: Mas te convidaram para qual papel?
Livia Andrade : Eu não sabia o que ia fazer. O Silvio brincou muito no programa, dizendo que eu seria a professora Helena. Não levei a sério porque não sabia de nada. Aí, fui lá e fiz o teste. Depois é que me vieram falar da personagem Suzana. Achei estranho fazer uma vilã numa novela infantil, mas depois, conversando com o (diretor Reinaldo ) Boury e com a Iris, vi como fazer para não ficar algo muito pesado.

iG: Antes da estreia da novela, foi noticiado que você teria diminuído a prótese de silicone nos seios para o papel da professora Helena.
Livia Andrade : Eu já iria fazer a cirurgia de redução dos seios. O Silvio tinha feito um comentário, como ele faz da tinta do meu cabelo, do esmalte, ele fez dos meus seios, falando que no vídeo fica com a aparência de gorda e que se eu diminuísse um pouco, ficaria melhor. Achei uma visão muito boa. Fui ao meu médico e diminuí, independentemente de papel em novela ou não. E tinha esta história de que para fazer a professora Helena não pode ser uma mulher bunduda e ‘tetuda’.

Falo tanta besteira para o Silvio e achei que, como esposa, a Iris (Abravanel) poderia ficar brava, com ciúmes. Nunca pensei que faria uma novela dela”

iG: Acha que sofreu prenconceito por ser símbolo sexual e já ter posado nua?
Livia Andrade: Acho muito louco isso. As pessoas fazem o que querem e vêm se preocupar com o tamanho do meu peito? Nunca me viram em balada, em boteco, com homens. Para mim, isso é mau exemplo, é ruim para criança. Não exponho minha vida, minha família, não uso drogas, não bebo, não gosto de noite, sou supercareta, diferente do que aparento na TV. Não acho normal, por exemplo, como muitos acham, uma criança vir e falar: “oi tia, eu sou bissexual”. Não tenho preconceito, mas não acho normal. Separação também não acho bacana para a criança. Por isso não tive filho até hoje. Quero ter certeza que será de uma relação que dure, não quero que um filho fique sem a presença do pai em casa. Agora, as pessoas ligarem para o tamanho do meu peito sendo que tem um monte de artista que sai em escandâlos e depois faz papel de padre, de mocinha? E muita gente já posou nua também. Acho foto pelada a coisa mais natural do mundo. Não me arrependo nem um um pouco de ter posado nua.

Assista: Livia Andrade como a professora Suzana em “Carrossel”
 

iG : Você acha que se daria melhor fazendo a mocinha ou a vilã?
Livia Andrade : Financeiramente falando, se eu fizesse a mocinha, teria ganhado muito dinheiro. Como vilã, há preconceito no mercado publicitário e, até a novela acabar, não rola quase nada. Mas fora isso, faço show toda semana, as crianças me adoram, pulam, roubam minhas pulseiras, puxam meu cabelo. É uma locura.

iG: Silvio Santos te deu algum conselho quando entrou para a novela?
Livia Andrade : Não, nenhum. Ele só perguntou como estavam os testes, como tinha me saído e se estava tudo bem eu fazer a personagem da Suzana. Respondi que estava muito feliz, mesmo que eu fosse a lousa, eu já estaria adorando. Mas só por me perguntar, por mostrar preocupação, para mim, já valeu todo o trabalho. E adorei fazer a vilã. Foi minha primeira experiência em um papel assim e acho que me dei bem

Eu falava para o Sergio Mallandro que ia sair, o programa dele acabaria e eu iria continuar. Ele me chamava de bruxa. A gente brigava muito, na boa, mas brigávamos”

iG: Como é sua relação com a Iris Abravanel?
Livia Andrade: É supertranquila. Na primeira novela, eu tinha medo dela no começo. Falo tanta besteira para o Silvio e achei que, como esposa, ela poderia ficar brava, com ciúmes. Nunca pensei que faria uma novela dela, que ela nunca me chamaria. Mas no teste de “Corações Feridos” ela estava lá e me tratou muito bem. Ela é muito educada, doce com as pessoas. E ela gostou do meu teste. O Silvio veio comentar comigo que ela tinha gostado, que eu tinha ido bem. Pensei comigo: “Olha…Estou na conversa dos dois, na conversa do café da manhã, na conversa da casa”. Aí, veio “Carrossel”. Tenho muito que agradecer a ela

iG: Como se tornou a queridinha do patrão?
Livia Andrade : Acho que sou natural com as pessoas, não sou puxa saco. Ele não quer mais puxa saco e por isso acho que o conquistei. A energia bateu entre nós dois. Ele sempre me tratou bem, me deu dicas. Aliás, ele dá dicas para todo mundo, mas as pessoas nem sempre aproveitam. A diferença talvez seja essa. Eu sempre o ouvi. Ele é o mestre da televisão. Eu pergunto e ele me responde.

iG: Como é o Silvio Santos fora do palco?
Livia Andrade: Ele é muito sério, profissional ao extremo. Já vi ele gravando mal, doente, mas quando ele entra no palco, ninguém percebe. Ele vai gravar por causa do respeito que tem pelo público, pelas caravanas. Ele é muito rígido também. E se com toda essa experiência, ele grava, está ali no horário, quem sou eu para reclamar? E se ele tiver que chamar a atenção, ele vai lá, conversa, mas não me lembro de dar uma bronca, gritar, desrespeitar alguém. Artista adora dar piti. Eu nunca vi ele fazer isso. Algumas vezes ele brinca fora do ar, ri, conta piada, mas sempre mantendo a linha. Ele é elegante. Mesmo com a cueca de fora, ele foi elegante.

iG: Ser próxima do dono do SBT também deve gerar fofoca…
Livia Andrade: 
Por um lado é muito bom, o público adora. Profissionalmente, muitas vezes não é tão bom. Fica aquilo de “queridinha do Silvio”… ‘Ela está na TV, na novela, por quê? Porque é a queridinha do Silvio’. Não porque eu tive capacidade de passar no teste. Ele é sistemático, rígido, ainda mais com quem ele gosta, com quem ele tem mais liberdade. Mas para mim, está otimo ser a queridinha dele. É alegria da garotada. Trabalho desde os nove anos de idade, ralando pra caramba, as pessoas só consideram novela se você está na Globo… Mas também eu nunca ouvi insinuação direta, de falarem que eu protegida, porque vou lá tirar satisfação. Eu não levo desaforo pra casa e acho que foi esse meu jeito que o Silvio gostou. Ele fala uma besteira, eu respondo com outra.

Ficam sabendo que a Livia Andrade está no hotel e acham que sou vagabunda e me chamam para suruba. Só que ele (Jesus Luz) encontrou o capeta quando bateu na minha porta”

iG: Você começou a carreira como modelo, foi assistente de palco do Sergio Mallandro e virou atriz. Qual foi o seu diferencial para chegar onde chegou?
Livia Andrade : É a questão da moral: ter uma boa conduta de vida, ser uma pessoa verdadeira, não subir na vida através de certas coisas… Todo mundo que eu vi saindo com alguém para conseguir uma vaga, até consegue, mas depois some. Depois chega a gostosa da vez. Gostosa um, gostosa dois, gostosa três… Nunca precisei disso. Tudo que eu fiz foi devagar.  Além disso, por sorte, talvez, e competência, eu cheguei até aqui. A Iris e o Silvio têm preocupação e respeito com as pessoas. Um dia desses, ele mostrou um vídeo em que eu aparecia na garupa da moto com um cara e ele viu que não era meu marido. Ficou todo preocupado, querendo saber quem era. E era meu tio.

iG: Qual a lembrança positiva e a lembrança negativa da época de Mallandrinha?
Livia Andrade : A melhor lembrança são os fãs que eu conquistei naquela época. E o mais engraçado é que os filhos desses fãs também se tornaram meus fãs. Eles colocam nome de Livia nas filhas por minha causa. Era até contratada para fazer festa infantil com a roupa de Mallandrinha. E a pior memória era a disputa e o ego da mulherada (Mallandrinhas). A gente se gostava, mas tinha muito o lance porque uma aparecia mais do que outra, porque a bunda dela é assim ou assado, isso me irritava muito. Aquilo era meu trabalho, queria ganhar meu salário e não ter outros fins lucrativos, como rolava e rola até hoje.

iG: Como é seu relacionamento com o Sergio Mallandro atualmente?
Livia Andrade : Hoje a gente se dá superbem. Eu saí do programa estressada, cansada. Ele estava no papel dele, de querer ganhar dinheiro e colocava a gente pra trabalhar. Até quando achei justo, fiquei ali, depois eu saí. Ele continuou com as meninas e depois o programa acabou. Tem o ego do artista também, do tipo ‘eu sou o famoso, você só é conhecida porque está no meu programa. Quando você sair daqui, tudo vai acabar’. Mas não fiquei com medo. Eu falava pra ele que eu ia sair, o programa dele ia acabar e eu ia continuar. E ele me chamava de bruxa. E foi bem melhor para mim, a gente brigava muito, na boa, mas brigávamos.

iG: Na época em que foi Mallandrinha, outra assistente de palco, a Vivi Fernandes, acusou o Sergio Mallandro de abuso sexual. Como foi isso?
Livia Andrade : Foi um absurdo o que aconteceu. Foi muito punk na época, isso prejudicou ele, a família dele. E no fim de tudo, ela assumiu que era uma farsa. Como uma pessoa com essa índole tem oportunidade na televisão? Eu não acredito em mudança radical de personalidade. Ela tentou se aproveitar de uma pessoa com uma mentira. Eu não aceito até hoje. Ela jé pediu desculpas, mas eu não falo com ela.

O Silvio me apelidou de macumbeira por causa da minha loja (de artigos religiosos). Achei ótimo. Ele não faz propaganda para os outros que oferecem milhões e, para mim, fez de graça ”

iG: Você se envolveu em uma polêmica com o Jesus Luz quando se hospedaram num mesmo hotel. O que aconteceu de fato?
Livia Andrade: É aquela história de achar que mulher peituda e bunduda é tudo puta…Aí, ficam sabendo que a Livia Andrade está no hotel e acham que sou vagabunda e me chamam para suruba. Só que ele encontrou o capeta quando bateu na minha porta. Só faltou apanhar de mim. Um moleque, com cara de tonto, liga no meu quarto e acha que eu poderia dar bola pra ele. Eu nunca dirigi a palavra pra esse garoto. Aí, eu fui pra cima. Trabalhei com Sergio Mallandro, com um monte de mulher no hotel, com um bando de gente louca, e nunca deixei fazerem isso comigo. Agora, nessa altura do campeonato, vem Jesus Luz bater na minha porta? Não dá mesmo!

iG: Você tem uma loja de artigos religiosos. É religiosa?
Livia Andrade : Acho muito importante ter uma religião, crescer com uma. Sou uma pessoa espiritualista, já passei por várias religiões. Acho muito bacana, são positivas e têm uma verdade em cada uma delas. O Silvio me apelidou de macumbeira por causa da loja. Achei ótimo. Ele não faz propaganda para os outros que oferecem milhões e, para mim, fez de graça. As pessoas me pedem para eu fazer macumba. Saber, eu sei, mas fazer é outra coisa. Acho que fazer para o mal do outro, vai voltar para você. Mas só vai funcionar, atingir, se a pessoa estiver mal espiritualmente, derrubada. Quem vive na noitada, bebendo, acaba quebrando uma proteção, uma pureza e a macumba pega.

 

Do Ig